segunda-feira, 30 de abril de 2012

RESUMO DO TRABALHO APRESENTADO NO III ENCONTRO DE TCI e VI CONGRESSO DE TCI - 2011


Terapia Comunitária Integrativa oportunizando a criação de trabalho, de renda e de inclusão social.
Helenice Alves Pereira Bastos
helenicebastos@gmail.com
Rede Solidária de Artesanato e Cultura Popular Paranoarte
Os trabalhos desenvolvidos pela ONG Paranoarte vem sendo ajustados de acordo com a demanda das comunidades e replicados em diversos Grupos nas Regiões Administrativas do Distrito Federal e do Entorno (Ceilândia, Gama, Guará, Itapoã, Paranoá, Planaltina, Recanto das Emas, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Taguatinga, Varjão e Lago Azul/GO). A meta é desenvolver ações que visam impulsionar as pessoas para o enfrentamento das dificuldades e a superação das condições de pobreza material e emocional. A proposta segue os dois princípios descritos abaixo:
- Ação social: Necessidade de estimular a participação ativa das artesãs para se tornarem autoras da transformação de sua realidade interna e externa. Para isso, considera-se os principais problemas levantados pelos participantes das sessões de terapia comunitária - desemprego, subemprego, baixa renda, desagregação familiar, baixa escolaridade, exclusão do mercado de consumo, moradias precárias, violência, consumo excessivo de drogas lícitas e ilícitas, dentre outros.
- Fortalecimento da sociedade civil: O projeto Paranoarte acredita que o aprender coletivamente gera uma dinâmica de inclusão e empoderamento. É preciso romper com o isolamento entre o "saber científico" e o "saber popular", para promover o respeito mútuo entre as duas formas de saber, numa perspectiva complementar, sem rupturas com a tradição e sem negar as contribuições da ciência moderna. O indivíduo deixa de ser objeto passivo de intervenção para se tornar um parceiro ativo e sujeito de sua própria história. Isto possibilita o resgate do capital sócio-cultural do grupo e apropriação das decisões e das políticas públicas como co-autores.
- Diversidade cultural: A proposta do Paranoarte ver como referência também importante o acolhimento e respeito da diversidade cultural, proporcinando a grandeza e a pluripotencialidade dos grupos sociais. Essa diversidade possibilita a conquista da riqueza dos códigos, recurso indispensável no processo de empoderamento e na construção da cidadania.
O fazer artesanal traz o saber original dessas mulheres, sua formação cultural, seus talentos familiares transgeracionais, valores estes que podem incorporar as contribuições das novas tecnologias capazes de agregar valor comercial aos produtos. Estimula-se, assim, a revitalização e inovação das práticas artesanais para dinamizá-las com uma tecnologia atualizada.
A técnica artesanal agregada de valores apropriados incentiva e redimensiona a sabedoria popular, combinando-a com os recursos

mais atuais de design e confecção de produtos. Esse caminho favorece a viabilidade comercial, e trás benefícios sociais e econômicos, propiciando que se forme uma rede de parceiros que sejam capazes de implementar ações, resultando em novos produtos que atendam as novas demandas de mercado. Forma-se, então, um modelo que cria um pólo de integração com outros movimentos sociais e que pode ser replicado e reutilizado em outras comunidades
- Promoção do protagonismo: Utilização da metodologia da Terapia Comunitária Integrativa como fomentadora das iniciativas de trabalho na comunidade. "Este instrumento permite construir redes sociais solidárias de promoção da vida e mobilizar recursos e competências dos indivíduos, das famílias e da comunidade" (Adalberto Barreto).
O enfoque na formação de redes solidárias, trazido pela metodologia da TCI, prepara as pessoas das comunidades para compreender os princípios básicos do empreendedorismo social. A partir da formação dessa competência aparece uma possibilidade real de fomentar a iniciativa, a criatividade, a busca de soluções para os problemas econômicos e sociais, oportunizando a criação de trabalho, de renda e de inclusão social.
Enquanto muitos modelos centram suas atenções na carência dos indivíduos, a TCI se propõe a incentivar a busca e a eclosão das competências que se encontram ocultas. Procura estimular o grupo a usar sua criatividade para a construção do seu presente e futuro a partir de seus próprios recursos.
Ver além da carência para ressaltar a competência torna-se uma fonte geradora de crenças positivas a respeito de si mesmo e da comunidade, bem como nos recursos internos e externos que podem ser buscados para a concretização dos objetivos de superação das dificuldades inerentes à pobreza e à exclusão.
Mobilizar as competências se torna um facilitador na promoção de vínculos solidários para a consolidação da rede de apoio aos que vivem em situação sócio-econômica precária.
A Terapia Comunitária explicita que famílias e comunidades que vivenciam problemas têm também suas próprias soluções. Elas precisam ser estimuladas para tomar consciência do potencial humano e cultural que possuem, necessitando apenas ser mobilizadas. É no grupo reunido, na troca de experiências individuais e de grupo, na reflexão coletiva, na solidariedade, no reforço dos vínculos afetivos e nos valores locais que o tecido social se consolida, que a consciência social desperta, que a descoberta das soluções se opera para superar as dificuldades. Isto determina que a inserção social dos indivíduos e famílias aconteça em novos contextos.
Aplicação
A aplicação dessa tecnologia social leva em consideração as especificidades das localidades, identificadas através da realização de avaliações internas (dados coletados por meio de observações livres). Assim, os dados não devem alcançar um lugar supervalorizado em detrimento das idéias, mas, devem ser utilizados como facilitadores

dessas.
Para fins de apresentação das propostas, é realizado um mapeamento sócio-econômico de cada um dos grupos atendidos pelo projeto de modo a levantar: a quantidade de pessoas freqüentes no grupo, a estrutura física do local das reuniões, a estrutura tecnológica (máquinas e computadores) que o grupo dispõe no local, ou na residência das artesãs, os produtos que são desenvolvidos e as técnicas utilizadas. Isso porque o projeto visa aprimorar técnicas já existentes nos grupos e difundir novas técnicas utilizando insumos de baixo custo que se tornem acessíveis para a continuidade das ações, após o término do projeto.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Baseado nos princípios da permacultura - Chácara Asa Branca


Centro de Permacultura Asa Branca
http://asabranca.org.br/
visitas@asabranca.org.br
61 9975-0658

Venha visitar a Chácara Asa Branca este sábado!

Programa de Visitas individuais
A Chácara Asa Branca, ambiente de cerrado denso e conservado, oferece vivências permaculturais por meio de visitas guiadas que mostram diversas tecnologias sustentáveis.
 Programe-se para a próxima visita!!
28 de Setembro
Sábado
das 9hs às 12h30
As visitas têm duração de 3h, são guiadas por um facilitador e incluem alimentação natural. O valor da visita é de R$25,00 por pessoa, e os grupos devem ter no mínimo 8 pessoas.
Interessados devem garantir sua vaga mediante o depósito de seu investimento até dia 26/09 e preencher o formulário de inscrição!

Para facilitar a vinda de pessoas interessadas mas que não formam um grupo de 8 pessoas, estamos organizando um sábado por mês para centralizar esses pedidos.
Se você tiver um grupo formado, entre em contato para agendamento da visita personalizada.

Centro de Permacultura Asa Branca

Localizada a 25 km do centro de Brasília, o Centro de Permacultura Asa Branca, berço do IPOEMA é um espaço em que as habitações, o abastecimento e tratamento das águas, a produção de alimentos e atividades produtivas são exemplos presentes de aplicação da Permacultura.

Ocupa uma área de 6 hectares de um belo e denso cerrado, onde diversas atividades e processos para geração de sustentabilidade podem ser observados.

Baseado nos princípios da permacultura, com planejamento e execução de ocupações humanas sustentáveis, os projetos implementados na Chácara Asa Branca unem práticas ancestrais aos modernos conhecimentos, principalmente de ciências agrárias, engenharias, arquitetura e ciências sociais, todas abordadas sob a ótica da ecologia.

A elaboração, a implantação e a manutenção de ecossistemas produtivos da Asa Branca promovem a diversidade, a resiliência e a estabilidade dos ecossistemas naturais. Esse processo alinha os sistemas humanos - energia, moradia, alimentação e cultura - com a maneira pela qual a vida funciona de forma harmoniosa.

Estamos esperando por você, sua família, amigos e colegas de trabalho!
Venham descobrir como é possível viver em harmonia com a Natureza!
Atenciosamente

SÃO JORGE!!!!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

CURSO DE TERAPIA COMUNITÁRIA 2012




O QUE É TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA?

A Terapia Comunitária Integrativa foi desenvolvida no Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará sob a coordenação do antropólogo e psiquiatra, Prof. Dr. Adalberto de Paula Barreto. Define-se como uma abordagem centrada na saúde e não na doença, nas possibilidades e não nas dificuldades, tendo as competências de cada pessoa e de cada sistema como alavancas para a mudança de qualidade de vida. Apresenta-se como uma abordagem efetiva e promissora para a imensa demanda por serviços de atenção e cuidado.
Seus objetivos são:
  1. Valorizar e reforçar o papel do indivíduo, da família e da rede de relações para que possam descobrir seus valores e competências;
  2. Favorecer o desenvolvimento comunitário, prevenindo e combatendo as situações de exclusão dos indivíduos e das famílias por meio da restauração e fortalecimento dos vínculos sociais e afetivos;
  3. Tornar possível a comunicação entre as diferentes formas do saber popular e saber científico e intervir nas determinantes sociais da saúde, em especial na redução do estresse e ampliação do apoio social.
É uma tecnologia social que pode ser aplicada a diferentes contextos e realidades. Se adequa às diferentes realidades e comunidades com recursos limitados, pois, não exige infra-estrutura material, não depende de formação de especialistas, e, reconhece e potencializa os recursos oriundos da população.

A Terapia Comunitária e suas ações complementares incentiva a corresponsabilidade na busca de novas alternativas e promove mudanças fundamentadas em três atitudes básicas: acolhimento, formação de vínculos e fortalecimento das pessoas. Parte do princípio de que a vida em grupo depende do que é comum, as linguagens, os costumes, a maneira de viver e os métodos de enfrentamento dos problemas e resgate dos valores culturais. É uma proposta que reacende os referenciais das rodas de conversa, do mutirão para festejar e das comemorações dos vários ciclos de vida; referenciais perdidos com o crescimento das cidades; é o advento de um novo modo de viver que supera o individualismo e busca de soluções coletivas.

A TCI valoriza o indivíduo partindo da premissa freiriana, ou seja, acredita que as pessoas possuem recursos pessoais, sociais e culturais para lidar com seus problemas e de encontrar soluções. Ao se basear na pedagogia de Paulo Freire, na antropologia cultural, pensamento sistêmico, resiliência e na teoria da comunicação, propõe múltiplos olhares, pois estimula a convivência com a diversidade, com as diferenças e com as várias formas de enfrentamento das dificuldades. 

Movimento Integrado de Saúde Comunitária do Distrito Federal
SCLN 107 Bloco A Sala 73 - Subsolo - Asa Norte - Brasília/DF
CEP: 70743-510 - Telefone: +55 61 3347-8563

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CURSO DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA



Movimento Integrado de Saúde Comunitária do Distrito Federal
SCLN 107 Bloco A Sala 73 - Subsolo - Asa Norte - Brasília/DF
CEP: 70743-510 - Telefone: +55 61 3347-8563

quarta-feira, 11 de abril de 2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

DIVULGAÇÃO - BIOENERGÉTICA DOS 7 SEGMENTOS

Bioenergética dos 7 Segmentos - grupo de terapia corporal, de 11 de abril à 27 de junho.
sempre às quartas-feiras, às 20h, no Clube Amygo (Setor de Clubes Sul, Trecho 2, lote 59, em frente a Agepol)
Contato: Suraag 96624061 ou email para suraag@suraag.com.br
Palestra e vivência aberta dia 11 de abril no Clube Amygo 20h

quinta-feira, 5 de abril de 2012

FELIZ PÁSCOA!!!


Páscoa, Um grito de Liberdade!
(Milla Pereira)

Páscoa, amor e ressurreição
Um grito de Liberdade e Luz!
Apaga-se o ódio no coração
Que nele reina o amor de Jesus!

Ressurge o toque de esperança
Na alma dos pobres pecadores
Da regeneração, a aliança,
Olvidam as suas próprias dores!

Reis e humildes, reunidos,
Oram, com fé, em comunhão.
Que o Mestre, já os há remido
Por sua bondade e perdão!

fonte: